Hoje resolvi te visitar. E não é uma visita qualquer. A estrada foi longa e essa milha de distância entre nossas casas, me fez pensar sobre minha vida. É. Por incrível que pareça, eu só pensei em mim e não em nós.
Percebi que tudo o que planejei para o meu futuro, nada mais era que estabilidade em minha carreira, viagem nas férias e pôr do sol ao final do dia. Uma boa música pra aliviar o estresse do cotidiano e um sorvete de flocos pra satisfazer um desejo aleatório. Quando me casasse, a cerimônia seria na praia em Melbourne e a lua de mel seria em uma ilha deserta. Minha casa seria simples, branca, de porta vermelha e com um quintal amplo e verde. Meus filhos brincariam até tarde, porque moraria em uma cidade calma.
Mas quando te conheci, tudo que conseguia imaginar era só nossos finais de semana em uma balada. E, de fato, era o que acontecia. E quando pensava no nosso futuro, eu imaginava um casamento somente no civil com uma lua de mel em uma praia qualquer. Um apartamento apertado em uma cidade grande. Coisa que tenho pavor.
Eu tinha muito medo do futuro, mas eu te amava então eu lutava pra tudo dar certo. Abria mão dos meus gostos, só pra te satisfazer e te ver feliz. Não que isso seja ruim, mas é que você me encaixava direitinho em seus sonhos, quando eu não conseguia fazer o mesmo. Mas acima disso eu lutava, porque você lutava por nós. Eu não desisti, porque você não desistia. Porém, eu sabia que nós dois não estávamos completamente felizes, apenas acostumados. Ou mal acostumados, que seja.
E sem perceber, no caminho pra cá, eu pensei em mim e, acredite, eu soube que era hora de colocar um ponto final nessa relação e sair em busca dos meus sonhos e ideais. Primeiro, eu não teria remorso em te deixar aqui e passar três meses no Canadá, também arriscaria morar em outra cidade, abriria meu próprio consultório e faria uma agenda com destinos de viagens em países que sempre quis conhecer. E bom, o resto será uma aventura a ser descoberta.
Então, aqui, vou deixando meu adeus. Por favor, não se culpe, mas também não coloque a culpa em mim. Ninguém é culpado. Tudo que passamos foi intenso, foi verdadeiro. Deixo aqui, também, meu muito obrigado. Você me ajudou a crescer, entre tantas coisas. E se hoje estou tomando essa coragem em dizer que durante o caminho pra cá eu comprei outra passagem pra mais além é porque você me ensinou que devo ser feliz.


Deixe um comentário

Digite aqui seu comentário!